Dez dicas para manter a motivação e não abandonar o treino

A motivação é uma arma essencial para combater o sedentarismo, pois, como qualquer atividade, se exercermos sem justa causa e nos é desagradável, será abandonada.

Encontrar um motivo é o que nos permite ver as coisas com outros olhos. Ou seja, se conseguimos estar motivados para exercitarmos diariamente, é provável que a atividade nos gratifique, nos de prazer e vontade de continuá-lo.

Dicas para Não abandonar o treino

Grande parte das pessoas que saem do seu treino é por tédio ou porque não encontram o incentivo necessário, por isso, lhe daremos 10 dicas que te ajudará a manter a motivação e não cair no sedentarismo.

As 10 Melhores Dicas para Não Desanimar

1. Realize um diagnóstico de si mesmo: consiste em avaliar os nossos hábitos, nosso corpo e seu funcionamento. Se olharmos com necessidade de melhorar a aptidão física e modificar certos hábitos, tais como a inatividade física, daremos o primeiro passo para não abandonar o treino.

2. Estabeleça objetivos reais: muitos são os que terminam longas horas no ginásio, com o objetivo de perder 3 quilos de peso corporal em um dia. Pois não sejamos irrealistas, é impossível! e ante a impossibilidade de alcançar os nossos fins, nos desilusionamos e desejamos nos afastar da atividade. No entanto, com paciência e consistência no treino se podem conseguir grandes mudanças positivas, não só sobre o nosso corpo, mas também, sobre o resto de nossos hábitos e o funcionamento mental.

3. Conheça e capacítese: saber quais são os mais variados e múltiplos benefícios da atividade física para a saúde é um grande recurso para querer fazê-lo e não desperdiçar as suas vantagens.

4. Não ao overtraining: treinar mais do que nosso corpo resiste é um desmotivador potente, já que a única coisa que vai conseguir é que o corpo se render antes de tempo, sentindo fadiga e cansaço que não quer voltar a experimentar. Por isso, a nossa rotina de exercícios deve ser de acordo com a nossa forma física e necessidade. Não se esqueça de consultar com um treinador profissional.

5. Registre os progressos: uma vez que começamos a encontrar o gosto bom o treinamento, é necessário ver os nossos avanços e melhorias, por isso, sempre é um grande incentivador manter um registo dos nossos progressos. Por exemplo: antes corria 2km e agora 5km; antes, tinha 30% de gordura e agora 27%.

6. Divirta-se nos treinos: se você precisa de um toque de humor para não se cansar, pois você deverá encontrá-lo. Escolha a atividade que mais prazer lhe gere e o ritmo que mais lhe motive a seguir realizándolo. Cada atividade produz um efeito diferente, de acordo com os gostos e preferências do indivíduo, por isso, só deve testar e, em seguida, selecionar.

7. Aplique uma variedade: não é necessário sempre realizar a mesma atividade, já que a rotina costuma cansarnos e termina por aburrirnos. O aconselhável é que você escolha sua atividade preferida, mas alternes desta com outras classes de academias, esportes ou atividades diferentes. Assim, não só vai trabalhar de forma diferente e obterá resultados diferentes, mas que a inovação irá mantê-lo motivado.

8. Dispositivos de ajuda: o pedômetro ou outros dispositivos que venham a prática esportiva podem produzir um efeito psicológico muito estimulante e motivador. É dizer, se olharmos para a quantidade de passos com as tiras e as calorias queimadas, seremos mais do que satisfeitos com o realizado e com vontade de autosuperarnos no dia seguinte.

9. Socialize no seu exercício: somos muitos os que gostamos de fazer atividade física na empresa e a realidade é que fazer exercícios junto a outras pessoas é um grande recurso para combater o tédio e, também, não perder a possibilidade de colher amizades e solidificarlas.

10. Visualize sua meta alcançada: experimentar antecipadamente as emoções e sentimentos do momento em que alcançarmos o objetivo proposto, será um grande motivador para ajudar a alcançá-los. Os objetivos podem variar de uma pessoa para outra, mas todos têm igual importância para continuar treinando, sem cair no sedentarismo e prejudicar nossa saúde.

Claro, todos nós podemos ter motivos diferentes que nos incentivam a exercitarmos com regularidade, mas saber quais são os aspectos que podem manter essa motivação, vai ajudar a potenciar os resultados positivos que proporciona o exercício físico.

Cuidar da saúde dos pés no verão 2018

Com as altas temperaturas e a chegada das férias, um dos grandes prazeres é passar o tempo na praia ou na piscina, tostar ao sol ou jogando na água: assim aproveitamos o nosso tempo livre, enquanto nos dedicamos uns merecidos momentos de descanso depois do trabalho de todo o ano.

E se há uma parte do corpo que ganha destaque quando chega o verão, essa são nossos pés: os levamos ao ar com sandálias durante o dia e com chinelos nos momentos de lazer. Mas, ao mesmo tempo que ganham protagonismo também aumentam as chances de sofrer algum tipo de patologia em si. Oferecemos três dicas básicas para cuidar da saúde de seus pés neste verão.

Cuide da higiene de seus pés

Levar a peito a higiene de nossos pés é algo que devemos fazer durante todo o ano, mas mais ainda no verão. Após o banho, devemos nos certificar de que secamos bem os nossos pés e eliminamos todos os vestígios de umidade com uma toalha (é importante ter a nossa própria e não compartilhar com outras pessoas para evitar infecções por fungos), insistindo em áreas como o espaço entre os dedos e o vinco de união entre estes e a planta do pé.

Seque seus pés a consciência após o duche ou banho, eliminando toda a umidade

Se a nossa transpiração no verão é abundante (ou até mesmo excessiva), podemos aplicar um antitranspirante na planta do pé: não devemos usar desodorantes, mas um produto específico para o cuidado de nossas pontas, que está especialmente formulado para esta zona do corpo.

Cuidar de nossas unhas, cortándolas de forma reta e seguindo a forma do dedo, é importante para manter uma boa higiene dos pés. No caso de usar esmalte, devemos renová-lo a cada pouco tempo, para evitar a formação de fungos devido à umidade da área.

Não ande descalço em lugares públicos

saúde-pés-verão

Tanto na piscina como nas zonas de chuveiros é obrigatório usar chinelos de borracha (nestes momentos pontuais, não como calçado normal) para evitar o contato de nossos pés com o solo. A maioria das infecções que sofremos nos pés, no verão, são causadas por bactérias ou fungos que podemos recolher ao andar descalço no chão.

Usando um calçado adequado para cada situação, evitar também as pequenas fissuras ou cortes que podemos sofrer, se andarmos com os pés nus. Outra das patologias frequentes nos pés durante o verão, é a aparição de verrugas virais causadas pela penetração do vírus do papiloma humano (HPV) através destas pequenas fissuras. Andar calçado, pode prevenir o aparecimento das mesmas.

Além disso, depois de um dia de piscina ou praia, o mais aconselhável é lavar os chinelos ao chegar em casa para mantê-las limpas e, assim, evitar possíveis infecções. Um gesto simples que custa muito pouco, mas, que, por sua vez, é pouco frequente.

Cuide dos seus pés ao fazer Esportes

No verão é importante escolher um calçado respirável, sobre tudo na hora de fazer esporte, que deixe respirar o pé para evitar transpiração excessiva e possíveis infecções. A maioria de marcas esportivas têm de calçado específico para o verão, com tecidos mais leves, que nos garantem uma prática esportiva mais segura e confortável.

Escolha um calçado respirável para fazer desporto e coloque-o bem para evitar bolhas e assaduras

É especialmente importante no verão que tratemos a escolha do calçado e que inventar um pouco de tempo para colocar corretamente os meias (sem rugas nem dobras) para evitar a ocorrência de possíveis bolhas ou atrito, que podem ser mais frequentes por causa da maior transpiração. Em caso de que apareçam é importante limpar a área e aplicar um penso para protegê-las e, assim, evitar possíveis infecções (além da evidente desconforto).

Lembre-se também proteger seus pés do sol com um protetor de amplo espectro, especialmente na área do peito do pé: uma parte do corpo que nós costumamos esquecer de aplicar o protetor solar e o que não é raro sofrer queimaduras desagradáveis.

10 alimentos que ajudam no desenvolvimento muscular

Muitas são as pessoas que treinam arduamente para alcançar um maior tom e desenvolvimento muscular, mas, às vezes, uma alimentação que acompanha pode ser a chave para descobrir os músculos e ver o seu aumento.

Coloca-Se a possibilidade de ingerir suplementos alimentares ou produtos anabolizantes para alcançar resultados a curto prazo, no entanto, podemos obter conquistas semelhantes, com treinamento e alguns alimentos que, pelas suas nutrientes, podem contribuir para o desenvolvimento muscular. Aqui você nomeamos 10 alimentos que podem colaborar com seu objetivo.

10 Alimentos Essenciais para Desenvolver os Músculos

As carnes vermelhas contêm grande quantidade de ferro que permite a adequada oxigenação dos tecidos, incluindo os músculos e fornecem proteínas de alto valor biológico que, como já sabemos, fazem parte da estrutura dos mesmos. Além disso, os peixes como o arenque e o salmão contribuem através de suas contribuições naturais em creatina e ácidos graxos essenciais.

O iogurte ou leite são alimentos que além de fornecer proteínas de alto valor biológico, fornecem-nos minerais como o potássio, o magnésio e o cálcio que permitem o funcionamento adequado osteoarticular e muscular junto com as vitaminas D e A.

Espinafre contribuem para o desenvolvimento da força e maior massa muscular, porque é a que possui compostos esteróides que já usava Popeye para conseguir maior fortaleza. Nós também podemos aumentar o anabolismo com a ingestão de frutos secos, que além de fornecer proteínas e gorduras saudáveis, juntamente com um alto teor energético, nos fornecem vitamina E, um potente antioxidante que protege os músculos do estresse do esforço.

Não podemos esquecer os cereais de pequeno-almoço e massas, ricos em carboidratos e ideais para cobrir as recomendações energéticas sem chegar a usar as proteínas como fonte de energia e, assim, preservar o desenvolvimento e a estrutura muscular.

Para completar a dieta com um bom aporte de fibras, ferro e carboidratos de baixo índice glicêmico, é ideal para a incorporação de feijão ou outra leguminosa, que fornecem um bom aporte energético através de nutrientes saudáveis.

O chá verde é outro aliado do treinamento que pode reduzir a gordura corporal e permitir o desenvolvimento muscular ao mesmo tempo que cuida do nosso corpo contra os efeitos nocivos dos radicais livres, Além disso, não podem faltar os citrinos que reforçam as defesas do organismo através do aporte de vitamina c, que contribui para a absorção do ferro, cuja função já descrevemos anteriormente.

Outro dos alimentos que não podemos esquecer é a banana e o resto das frutas que colaboram mediante o aporte de potássio, antioxidantes, fibras, vitaminas, minerais outro, açúcares naturais e carboidratos de baixo índice glicêmico, que evitam a fadiga precoce.

Os alimentos naturais combinados em uma dieta equilibrada oferecem vantagens sobre os suplementos, os quais podem resultar em riscos quando consumidos em excesso.

Por isso, não esqueça de incluir quantidades suficientes de calorias em sua dieta que serão a base para manter os músculos intactos, enquanto se decide a aumentar o seu volume através do treino e da alimentação.

10 Alimentos para Consumir com Moderação no Natal

Já estamos a um par de dias de nossa Natal e, assim como podemos aproveitar esta celebração para incluir alimentos típicos muito saudáveis, devemos também saber que existem alimentos pouco nutritivos e muito calóricos, cujo consumo devemos controlar para não cair em excessos.

10 alimentos para consumir com moderação em época de Natal.

    • Foie ou Patê: um alimento que costumamos usar para incluir em pratos de natal e que tem um alto conteúdo em gorduras, o que aumenta seu valor calórico. Então, se bem que tem proteínas, este é um ingrediente que devemos moderar por ser, antes de tudo, fonte de gorduras saturadas.

    • Maionese: se bem que este e outros adereços são consumidos em qualquer época do ano, é muito comum que no Natal você use maionese para acompanhar diferentes pratos. Este alimento se bem que tem vitamina E e garsas boas, também tem um alto teor em colesterol e calorias, por isso não podemos abusar deste ingrediente que é composto 90% por gordura.
    • Refrigerantes: como sempre dizemos, nos limitamos a situações especiais, mas nunca deve perder de vista a moderação no ingerimos a partir, pois se trata de um alimento rico em açúcares simples e outras substâncias não nutritivas para o organismo, portanto, estaremos bebendo açúcar e calorias vazias, apenas.
    • Provolone: claro, um pequeno provolone não nos fará danificado, mas aqui deve-se priorizar a moderação antes de tudo, porque se trata de um alimento composto por quase 40% de gordura.
    • Marzipan: são uma combinação perfeita de açúcares e gorduras, o que também possuem alta densidade calórica e ao combinar os nutrientes que o corpo mais deseja, nos estimularão a seguir comendo, por isso, um pequeno pedaço de massapão é suficiente para provar os doces típicos de Natal.

 

  • Frios gordurosos: os presuntos e enchidos sempre são comuns entre os pratos de Natal, seja como aperitivos ou entradas, sempre devemos moderar o consumo daqueles mais ricos em gorduras, como o chouriço, salpicão, mortadela e outros, pois além de gorduras saturadas e colesterol, contêm alta quantidade de sódio em sua composição.
  • Bebidas alcoólicas: como sempre, o excesso de álcool pode passar factura, por isso, se bem que podemos beber com moderação uma taça ou duas de vinho, por conter álcool, o que contribui com calorias vazias e incide no nosso sistema nervoso central, nunca devemos abusar deste ingrediente típico em comemorações de fim de ano.
  • Creme de leite: muitas molhos, sobremesas e outras preparações costuma-se adicionar creme de leite, um alimento concentrado em gorduras saturadas e também traz colesterol com muitas calorias, então, devemos moderar o consumo deste ingrediente ou usá-lo com moderação, ao preparar pratos para este Natal.
  • Bombons também são uma combinação de açúcar e gorduras que não nos saciar, mas se nos oferecerão grande quantidade de calorias por refeição. Então, antes de tudo, a ingestão moderada para este alimento.
  • Geléias e compotas: por ser acima de tudo uma fonte de açúcares simples, sempre esse ingrediente deve ser em pequenas quantidades para os pratos de Natal e, se possível, combinar-se com alimentos mais nutritivos para não atiborrarnos de calorias vazias, apenas.

Estes são os 10 alimentos que costumamos usar no Natal e celebrações típicas de fim de ano, que devem ser consumidas com moderação, para não cair em excessos que podem prejudicar o equilíbrio da dieta, bem como a saúde digestiva e outros.